Segunda, 01 de Março de 2021
69 9 9285-1040
Saúde SARAMPO

Pais devem ficar atentos à imunização contra sarampo em crianças, alerta Agevisa

Saiba mais.

08/02/2021 19h43 Atualizada há 3 semanas
Por: AlvoNotícias Fonte: Secom - Governo de Rondônia
Pais devem ficar atentos à imunização contra sarampo em crianças, alerta Agevisa

Com a baixa procura vacinal contra o sarampo que ocorre nacionalmente e o registro de surtos, O Governo do Estado de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) alerta aos pais a levarem os filhos até os locais de imunização para protegê-los da doença que é considerada grave e de fácil contágio. Em Rondônia, 82,84% do público-alvo que são crianças com um ano foram vacinadas em 2020. A meta é uma cobertura vacinal de 95%.

O Estado registrou seis casos da doença no ano passado e se mobiliza para evitar o avanço da doença. ‘‘Pedimos aos pais que compareçam às unidades de saúde dos municípios. Sabemos que a Covid-19 está grave no Brasil, mas busquem a proteção de seus filhos contra o sarampo, temos a vacina!’’, disse a coordenadora Estadual das Doenças Exantemáticas da Agevisa, Adalgisa Botelho.

A iniciativa de conscientização busca combater uma problemática que tem acompanhado o Brasil em que o receio de contaminação pelo coronavírus tem inibido a busca pela imunização de outras doenças como o sarampo. Com isso, há estados que já registram surtos da doença.

‘‘Isso preocupa Rondônia porque faz fronteira com outros estados e países que registram casos’’, conta.

Os seis casos de sarampo registrados em Rondônia no ano passado, sem histórico de vacinação, tratava-se de uma família que migrou do Pará (epicentro da doença em 2020) para Rondônia. Uma das crianças acometidas da doença foi a óbito. De 1999 a 2017, Rondônia não teve nenhum caso de sarampo registrado. Em 2018, houve dois casos, já em 2019 não houve registros.

A coordenadora explica que o Estado fez a distribuição das doses de vacina aos polos regionais de saúde, e os Municípios são responsáveis pela aplicação das vacinas. Ela faz o apelo para que surtos sejam evitados ‘‘Essa é uma doença imunoprevenível, pode ser controlada por vacina’’.

Conforme a coordenadora, os Municípios estão orientados que a prioridade é fazer a busca ativa dos casos notificados para verificar se são confirmados e aplicar a vacina, inclusive nos familiares, pois o sarampo é uma doença de fácil propagação.

VULNERABILIDADE

São elas, as crianças, o público mais vulnerável à doença, por isso o Ministério da Saúde criou a dose zero da tríplice viral, implementada em agosto de 2019, para crianças de seis a 11 meses de idade, em locais com transmissão ativa do vírus do sarampo. Além dessa situação, a imunização contra o sarampo é realizada em duas doses,  conforme diretrizes do Ministério da Saúde: A primeira dose da tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola) deve ocorrer aos 12 meses de idade e uma dose da tetra viral  (contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela) aos 15 meses de idade.

Segundo o Ministério da Saúde, o  sarampo é uma doença infecciosa grave causada por um vírus, que pode ser fatal e altamente contagiosa. A transmissão pode ocorrer entre 4 dias antes e 4 dias depois do aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo. O contágio ocorre por meio do contato com secreções como: gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse da pessoa infectada.

Entre os sintomas iniciais estão febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido, falta de apetite e mal-estar intenso. A persistência de febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade.

O combate à doença precisa da conscientização da população para o enfrentamento desse mal com a arma certa: a vacina. Seguindo as recomendações de prevenção à Covid-19, as crianças rondonienses devem ser levadas a unidades de saúde para ficarem protegidas contra o sarampo.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.