°C °C
Publicidade

Como a calvície afeta a saúde mental e autoestima de jovens?

Nove em cada dez jovens têm medo da calvície masculina. Entenda o quadro e como ele pode afetar a saúde mental e demandar assistência especializada.

21/10/2023 às 19h02
Por: AlvoNotícias Fonte: Link Building
Compartilhe:
Como a calvície afeta a saúde mental e autoestima de jovens?

A calvície é como é popularmente conhecida a alopecia androgenética, condição que cada vez mais afeta a saúde mental de jovens.

A alopecia androgenética é mais comum em homens mais velhos, sendo que a manifestação precoce em jovens é menos frequente, mas possível. As mulheres também podem ser acometidas, principalmente depois da menopausa.

Como se desenvolve a calvície?

A calvície é uma condição herdada geneticamente, de forma que familiares de primeiro grau com a doença predispõem o desenvolvimento futuro.

O primeiro indicativo da alopecia androgenética consiste na miniaturização dos fios, que pode ser traduzida como o afinamento progressivo da haste capilar.

Na calvície, a miniaturização está relacionada com a ação do hormônio andrógeno DHT no folículo piloso. Com a intensificação do quadro, o folículo tende a produzir fios mais finos até que interrompe definitivamente a produção de novos fios e atrofia.

Nos homens, os sinais da calvície concentram-se na região das têmporas, com recuo das entradas, e no topo da cabeça, formando a conhecida coroa.

Nas mulheres, a alopecia androgenética é mais comum após a menopausa, quando as alterações hormonais elevam os níveis de testosterona no organismo. No caso delas, a miniaturização é difusa.

Qual a relação entre calvície e saúde mental?

A estimativa é que aos 50 anos, cerca de 50% dos homens vão apresentar algum nível de calvície.

Com uma incidência tão elevada na população, não surpreende que, especialmente os jovens estejam mais preocupados com a ocorrência, o que pode desencadear problemas de saúde mental e autoestima.

Uma pesquisa realizada no Reino Unido pela Harley Street Hair Clinic identificou que 9 a cada 10 jovens adultos estão preocupados com a possibilidade de ter calvície futuramente.

No público geral a recorrência da preocupação também é elevada, sendo que 74% dos adultos do Reino Unido afirmam ter esse receio.

A preocupação associada à calvície ganhou até uma terminologia específica: “hairxiety” (união dos termos cabelo + ansiedade).

Na literatura especializada há alguns estudos iniciais sobre a relação entre alopecia androgenética e saúde mental em homens e mulheres. Os impactos negativos mais comuns incluem:

  • baixa autoestima;

  • alterações na percepção de atração física;

  • depressão e ansiedade;

  • preocupação com a avaliação dos outros;

  • medo de situações vexatórias, como bullying.

A calvície pode trazer implicações a diferentes esferas da vida cotidiana, razão pela qual ela pode ser um desafio emocional aos pacientes acometidos.

Um estudo apontou que entre os desconfortos relacionados à calvície estão os prejuízos às relações afetivas e sexuais.

Entre os homens entrevistados, 25% deles classificaram a calvície como uma condição devastadora e 62% como motivo de adoecimento mental.

Como lidar com a calvície?

Como visto, a alopecia androgenética é uma condição genética, não sendo preveni-la ou evitá-la.

Em pacientes com a predisposição hereditária, mesmo níveis normais de testosterona e DHT podem levar à rarefação capilar.

Entretanto, em quem têm a predisposição, evitar terapias hormonais sem acompanhamento médico – como o uso de anabolizantes – é uma forma de minimizar as chances de desenvolvimento precoce do quadro.

O tratamento precoce, por sua vez, é uma das abordagens mais efetivas para prevenir o agravamento do quadro.

Dessa forma, a recomendação é buscar auxílio médico especializado se identificar sinais como rarefação capilar, fios mais finos e recuo das entradas.

Um alerta importante é quanto aos tratamentos alternativos e naturais. Essas abordagens não entregam resultados efetivos no longo prazo e adiam o início do tratamento correto, reduzindo as chances de sucesso.

Destaca-se ainda que a alopecia androgenética é uma condição de manifestação crônica e progressiva, de forma que a descontinuação das medicações prescritas pode levar ao retrocesso no tratamento.

Para pacientes com quadros avançados de calvície e que estão esteticamente insatisfeitos, o transplante capilar tem se apresentado como uma opção efetiva e satisfatória.

Caso o paciente acometido pela calvície masculina sinta sintomas relacionados à ansiedade, depressão, transtorno de personalidade e demais condições mentais, a recomendação é buscar auxílio com psicólogo e ou psiquiatra para avaliação e encaminhamento do tratamento.

São sintomas relacionados à saúde mental que exigem atenção:

  • evitar situações de interação social;

  • comportamento dissociativo;

  • comparações excessivas com os outros;

  • checar a aparência recorrentemente;

  • tristeza frequente;

  • cansaço;

  • tensão muscular;

  • dificuldade para respirar;

  • problemas para dormir, como insônia ou dormir em excesso;

  • sensação de despersonalização.

A intensidade dos sintomas pode ser variável, mas é importante saber que se sentir infeliz, incapaz ou muito autocrítico não é normal e demanda suporte médico para enfrentamento do quadro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
20h00 Nascer do sol
20h00 Pôr do sol
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Sex ° °
Sáb ° °
Atualizado às 20h00
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,56 -0,73%
Euro
R$ 6,05 -0,84%
Peso Argentino
R$ 0,01 -1,62%
Bitcoin
R$ 392,912,09 -1,02%
Ibovespa
127,986,22 pts 0.29%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade