Terça, 03 de Agosto de 2021
69 9 9285-1040
Dólar comercial R$ 5,23 1.19%
Euro R$ 6,21 +1.19%
Peso Argentino R$ 0,05 +1.23%
Bitcoin R$ 211.211,21 -2.048%
Bovespa 122.577,34 pontos +0.05%
Economia Economia

Dia dos Namorados: casais contam como dividir vida a dois e negócios

Neste sábado (12) é comemorado o Dia dos Namorados. Conheça histórias de afinidade e cumplicidade também na vida empresarial

12/06/2021 01h05
Por: AlvoNotícias Fonte: R7
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Primeira sociedade surgiu com a união de duas famílias: Em abril de 2016, Gilsa dos Santos e André Ikenaga, que já tinham filhas de outros relacionamentos, se conheceram por um aplicativo. A relação evoluiu rápido. “É possível afirmar que a primeira sociedade se deu por juntarmos as famílias e constituir nossa própria história. E em alguns meses éramos cinco”, diz Gilsa.  Naquela época, Gilsa trabalhava como coordenadora de franquias na rede Buddha Spa e tinha uma rotina agitada, pois viajava bastante. Com uma nova família se formando, era o momento de buscar algo que a mantivesse mais em São Paulo. André, por sua vez, era empresário da área de telecomunicações. Em 2017, resolveram evoluir a relação para uma sociedade nos negócios, ele como investidor e ela com expertise técnica e comercial no ramo de spas e clínicas de estética. Com isso, compraram a primeira franquia do Buddha Spa, localizada no bairro do Ibirapuera, na zona sul da capital paulista. Um ano após a aquisição da unidade Ibirapuera, iniciaram a implantação da segunda franquia, a Buddha Spa Funchal, também na cidade de São Paulo. “Entre todas as dificuldades de empreender, sentíamos uma alegria muito grande, pois tínhamos certeza de que as coisas estavam caminhando bem”, ressalta Gilsa. Em 2019, os dois adquiriram a unidade Buddha Spa Pestana, também na capital paulista, e hoje estão nos preparativos finais para inaugurar a quarta unidade, Buddha Spa Clube Paulistano. “O peso de ter um marido sócio é enorme, mas a afinidade, a confiança e o fato de um conhecer o outro contribui muito para o equilíbrio da relação empresarial e familiar. Saber deixar os problemas da empresa fora de casa, ter funções bem definidas e dialogar ao invés de impor é o segredo”, afirma Gilsa.

Casal decidiu empreender depois que ele perdeu o emprego: Camila Castagna e Jefferson da Silva se conheceram não faz tanto tempo, há um pouco mais de três anos. O facilitador do encontro foi um site de relacionamento. Tudo para este casal foi bem rápido. Logo que se conheceram já foram morar juntos, em 2019 se casaram e no início da pandemia, em 2020, Camila engravidou do seu primeiro filho.   Por conta da pandemia, Jefferson perdeu o emprego em maio de 2020. Com a dificuldade de se recolocar no mercado de trabalho, ele passou a olhar novas possibilidades de atuação profissional e uma delas seria investir em um negócio próprio. Junto com Camila pensou em abrir uma pizzaria, mas ao verem toda a dificuldade da logística, por terem um filho pequeno, optaram por não seguir com a ideia. Aí surgiu a possibilidade de abrir uma franquia. "Fomos pesquisar sobre o setor e vimos todos os benefícios que teríamos ao abrir uma franquia", diz Camila, que foi impactada no Instagram pelo anúncio da Frango no Pote. Depois disso, foi atrás para entender melhor sobre a rede. No dia 16 de outubro de 2020 eles assinaram o contrato de franquia com a marca e no dia 1º de abril inauguraram a loja. "Eu e meu marido decidimos juntos que eu teria que largar o meu emprego, algo que era estável para mim, para seguirmos juntos administrando a nossa nova franquia. Não me arrependo de nada", acrescenta. 

Eles se conheceram na faculdade e não se desgrudaram mais Gabriel Manha e Marianna Galvão se conheceram no começo da faculdade. Ambos faziam administração com ênfase em comércio exterior e estavam na mesma sala. No final do segundo ano do curso, começaram a namorar. O ano era 2010, Marianna fazia estágio na área administrativa de uma empresa e Gabriel trabalhava na companhia de seu pai como representante comercial. Marianna tinha bastante interesse no segmento de franquias e por isso decidiu fazer o seu TCC da faculdade a respeito do tema. Ambos queriam investir no segmento, mas ainda não sabiam exatamente em qual rede. Após finalizarem a faculdade, começaram a pensar em qual seria o próximo passo, pois Marianna já não queria mais trabalhar para outra empresa e Gabriel vinha tendo alguns atritos profissionais com o pai. Passaram-se três anos, e a ideia de empreender não saía da cabeça dos dois. Até que um dia foram buscar algo que estivesse dentro do orçamento deles, que gostassem e acreditassem no propósito. Até que chegaram na marca Nutty Bavarian. Marcaram uma reunião com a pessoa responsável pela expansão da rede e foram analisar os locais que tinham em mente e os que foram sugeridos pela equipe da marca. Nessa época, ambos saíram dos respectivos empregos, por motivos diferentes, mas foi algo que os uniu, e levou o casal a abrir o próprio negócio. Começaram, então, a nova jornada “na cara e na coragem”. “Nunca se sabe se vai dar certo. E, se der, o quanto aquilo vai trazer de resultado, se vai dar para nos sustentar ou não. Mas com sorte e esforço, estamos conseguindo. E juntos estamos há mais de 10 anos”, diz Gabriel.

Cada um com sua bagagem profissional e aptidão completa o outro: Mirian Valentim e Waldir Junior, quando investiram na franquia da Help!, ambos atuavam no mercado de crédito consignado. Como ela trabalhava em outra empresa, Waldir ficou à frente da unidade. Em 2016, optou por compartilhar a gestão da unidade com o parceiro, assim pediu demissão da empresa em que trabalhava para que pudesse se dedicar totalmente ao próprio negócio. “O Waldir tem um perfil muito agregador ao negócio e acredito que nos complementamos muito, cada um com sua bagagem profissional e aptidões”, diz Mirian. Waldir ressalta que uma das vantagens de se dedicar junto ao mesmo projeto é como se estivéssemos o tempo todo cuidando do casamento, que o objetivo é sempre fazer dar certo. “Acho que isso diminui o impacto das divergências de opinião e ideias. Sabemos que o outro está sempre buscando zelar e proteger essa segunda família que construímos com todo esforço. Isso é alinhamento de propósito. Cuidamos do nosso negócio como um projeto de vida. Aqui construímos nossas projeções e sonhos”, acrescenta Mirian. Atualmente o casal tem 19 lojas da Help!, distribuídas nos estados do ES, MT, BA, MG, GO e no DF.

Casal começou negócio com dinheiro contado: juntos há mais de três anos, o casal Luan Rosa, 21 anos, e Raquel Moraes, 32 anos, sempre tiveram o desejo de empreender e conseguiram realizar o sonho há um ano, ao se tornarem franqueados da rede de assistência técnica para celulares e venda de acessórios, Suporte Smart.  Luan relata os benefícios em empreenderem juntos.  “A nossa maior vantagem é a nossa parceria. Ela cuida do banco de dados dos clientes e de prospectar mais consumidores. Já eu faço o serviço de campo, realizando toda parte de assistência, além também da prospecção de clientes na rua”. O casal que começou o negócio com o dinheiro contado hoje já faz planos para o futuro. “Queremos abrir mais franquias em outras cidades vizinhas que tem mercado para Suporte Smart”, revela Luan.

Ela lida com o público e ele administra negócio: durante a pandemia, o casal Thallison e Jockebede Meneses, juntos há 12 anos, tiveram a necessidade de aumentar a renda, Thallison começou a pesquisar franquias e conheceu a Premiapão, rede de publicidade em saco de pão. Há nove meses na rede os estudantes de medicina contam como é compartilhar a maior parte do dia e como aproveitam isso para tocar o negócio. “Convivemos juntos as 24 horas do dia, amamos a companhia um do outro, nossos maiores desafios são os conflitos de opiniões, mas aproveitamos o que cada um tem de melhor, por exemplo, eu sou melhor em lidar com público, já Jockebede é melhor na administração e isso nos faz ser uma ótima dupla”. Para outros casais que estão pensando em empreender eles dão algumas dicas. “É preciso descobrir o propósito para empreender, focar em algo que os dois gostam e possam se desenvolver cada dia mais, ser unidos e acreditar um no outro”.   

Parceria traz inúmeras vantagens: juntos há 13 anos, o casal Adilaine Nogueira da Silva e Leandro Dias Nascimento escolheu há um ano e três meses a franquia Sofá Novo de Novo para realizar o sonho de ter o próprio negócio. “Já tínhamos esse desejo, uma vez que nos especializamos em administração de empresas, mas trabalhando em regime CLT não nos permitia conciliar nosso tempo em duas responsabilidades distintas. Após encerrarmos nossos contratos CLT, decidimos investir no próprio negócio”, revela Leandro. Para o casal o maior desafio em empreender juntos é conciliar a vida pessoal com a profissional, mas encontram inúmeras vantagens na parceria. “Poder administrar o nosso próprio horário, passar mais tempo juntos, estar mais próximo do nosso filho e acompanhando de perto o seu crescimento”, conta Nascimento. 

Vencendo o preconceito e empreendendo: o professor de educação física Sergio Costa da Silva, 42 anos, e o psiquiatra Rafael Araújo de Melo, 38 anos, se conheceram em 2019, pelo Instagram. Rafael, que morava em Imperatriz (MA), fazia muitos cursos sobre medicina e psicologia em Campinas SP). Em junho de 2019, Sérgio convidou-o para conhecer a sua cidade, Rio Claro, perto de Campinas. “Ele chegou todo atrapalhado na minha casa, porque tinha perdido a carteira no Uber. Nos conhecemos, conversarmos, mas de início não aconteceu nada”, comenta o personal. “Ele estudava muito e nós falávamos só por WhatsApp. Foi então que marcarmos uma viagem para São Luiz do Maranhão, e fomos nos lençóis maranhenses. Foi ali que comecei a gostar dele. Tivemos muita afinidade, inclusive com histórias de vidas muito parecidas.” Em março de 2019, os dois viajaram para Florianópolis e se encantaram pelo lugar. Nasceu a ideia de morar na cidade. No natal de 2019, o casal decidiu oficializar o namoro e, em março de 2020, no começo da pandemia, mudou-se para Floripa. Ao mesmo tempo, como a academia do Sérgio precisou fechar devido à crise sanitária, ele planejou diversificar de ramo, decidindo investir em uma rede de franquia de beleza e bem-estar. A escolhida foi a Mais Top Estética. “Tenho muito apoio do Rafael. Queríamos ter um único polo, de saúde, beleza e bem-estar”, afirma Sérgio. “Sou feliz por tudo. Sempre quis cuidar de beleza, eu cuido da física e agora tenho a facial. A Mais Top estética só veio para acrescentar o que já tinha em mente.”

Opiniões divergentes não afetam vida pessoal e negócio: juntos desde 2003, o aposentado e empresário Sandro Roberto Lopes de Souza, 57 anos, e a também aposentada e empresária Márcia Gonçalves Chaves, 60 anos, completaram 16 anos de casados e 18 anos juntos no último dia 4. Moradores de Brasília, os dois se conheceram por meio do trabalho – Sandro trabalhava na Latam e Márcia, na Infraero, e aposentaram-se em 2017 e 2018, respectivamente. À época, com a perspectiva da aposentadoria, o casal procurava alguma atividade para manter a ocupação no dia a dia. Surgiu, então, a ideia de apostar no setor de franquias. A escolha da Hope se deu pelo fato de Márcia se identificar com a marca. “Eu fico mais na parte de lojas. Tinha de ser algo que eu gostasse e o Sandro também. Inclusive, eu já trabalhava na área comercial do Infraero”, comenta Márcia.  Em 2019, os dois inauguraram a unidade da Hope no Taguatinga Shopping. “Sempre tive interesse no negócio em si. É algo de muitos anos. Já tínhamos ido em várias feiras de franquias”, diz Sandro.  “A maior dificuldade foi o desconhecimento no varejo, porque trabalhávamos em outro tipo de segmento”, completa Sandro. “Por mais que tivéssemos nos planejado, não sabíamos na prática como lidar com o varejo”.  Em fevereiro deste ano, o casal abriu a segunda unidade, no ParkShopping. O faturamento médio mensal varia de R$ 60 a R$ 80 mil em Taguatinga, e, no Park Shopping, está na faixa de R$ 150 mil. “Não misturamos nada com a vida pessoal. Às vezes, temos opiniões diferentes, mas sempre sabemos lidar com isso. Dividimos as responsabilidades”, diz Márcia.

Segredo é dividir vida pessoal e profissional: depois de terminar um noivado, o cirurgião dentista catarinense Djones Ggludert, hoje com 41 anos, mudou-se para Rio Verde (GO), em 2010, para recomeçar a vida e abrir uma clínica própria. Nesse período, pelas redes sociais, conheceu a professora Fabiana Ggludert, 40 anos. Quatro meses após o começo do romance, Djones pediu Fabiana em namoro, exatamente no Dia dos Namorados. No ano seguinte, Fabiana engravidou. “Quando soubemos da gravidez, oficializamos o nosso casamento”, conta o dentista. Com a clínica própria crescendo, Djones decidiu profissionalizar a gestão do negócio, com a abertura de uma unidade de franquia. Em 2015, após pesquisar diversas redes, o dentista optou pela OrthoDontic. Para tocar o empreendimento, pediu a ajuda de Fabiana, que então se exonerou do cargo de professora em uma escola pública e abraçou a ideia. Em 2019, com o crescimento da primeira clínica, o casal decidiu abrir uma segunda unidade, em Jataí. “Minha maior dificuldade foi a mudança de comportamento, de sair de autônomo para empresário. Como casal, a dificuldade foi unir o conservador com o corajoso. Minha esposa é mais ‘light’, enquanto eu sou mais agitado”, comenta Djones. “Sempre dividimos nossas responsabilidades. Nunca discutimos. Sabemos dividir o pessoal do profissional. Se houver alguma diferença, nada que uma conversa não resolva”. Hoje, as duas unidades gerenciadas pelo casal faturam, em média, R$ 4 milhões anuais, e os dois já planejam a abertura de uma nova clínica, em Rio Verde, no ano que vem. “Por conta da OrthoDontic, realizei meu sonho de cirurgião dentista e empresário. Estamos tentando ter a liberdade para não ser um escravo do trabalho, e sim de trabalhar pelo prazer daquilo que fazemos”, comenta Djones. “Se eu fosse me casar de novo, casaria com a mesma mulher. Sou muito feliz ao lado dela. É um prazer acordar e dormir e saber que ela está aqui.” 

Dentistas abriram clínica quando ainda eram amigos: em 2018, os cirurgiões dentistas Ana Karen Marques e João Marcos de Moraes, ambos hoje com 24 anos, trabalhavam no mesmo consultório odontológico, em Taubaté (SP). Em comum, os dois tinham a sensação de serem pouco valorizados por sua atuação profissional. Após pedirem demissão, ainda como amigos, os dois montaram uma clínica odontológica particular, com o intuito de crescer profissionalmente e ter mais autonomia. Em 2020, após unirem forças para a inauguração da unidade da Mais Top Estética em São Lourenço (MG), a 160 quilômetros de Taubaté, os dois decidiram namorar.  “Nós resolvíamos tudo juntos. Com o passar da construção da clínica, fomos nos aproximando”, comenta Ana Karen. “Nos dávamos muito bem. Por isso, queríamos ter algo nosso”. Segundo o casal, as responsabilidades na operação e administração da franquia, em São Lourenço, e a clínica, em Taubaté, são divididas. Na Mais Top Estética, Ana Karen cuida da gestão, enquanto João cuida da parte comercial.  “Temos gostos e posicionamentos diferentes, mas sempre encontramos um equilíbrio para fazermos dar certo”, comenta Ana Karen. “Para gerir os dois negócios, intercalamos entre nossa clínica de odontologia em Taubaté e a clínica da Mais Top Estética em Minas Gerais.” Aberta há pouco mais de dois meses, a franquia rende ao casal um faturamento médio mensal entre R$ 12 mil e R$ 15 mil. Os planos da dupla incluem ampliar a unidade franqueada ou mesmo abrir uma nova unidade em outra cidade no prazo de um ano. “É uma experiência em tanto. A responsabilidade é imensa. Então, amadurecemos juntos para resolver as situações e os problemas”, comenta Ana Karen. “Aprendemos muitas coisas um com o outro. Somos uma equipe, planejamos, nos organizamos e temos nossas responsabilidades.”

De ex-colegas a marido a mulher (e sócios): Ricardo Zeni Chiaregato, 43 anos, e Nivea Natalie Nicolosi, 36 anos, se conheceram em 2012. Na época, trabalhavam em uma construtora – enquanto Ricardo era o responsável pela parte comercial, Nivea atuava como arquiteta – e sua relação era apenas profissional. Em 2015, depois de Ricardo se separar da esposa, ele e Nivea aproximaram-se e começaram a namorar. Hoje, o casal já está há cinco anos morando sob o mesmo teto e administrando, em conjunto, três lojas da Imaginarium – duas delas em São Bernardo do Campo e uma em São Paulo. A primeira unidade foi aberta no São Bernardo Plaza Shopping, em 2018. No ano seguinte, eles inauguraram a segunda loja, no Shopping Metrópoles, também em São Bernardo do Campo. De acordo com o empresário, a maior dificuldade enfrentada no período ocorreu durante a pandemia. “Os shoppings foram fechados, e começamos a fazer vendas online, por meio do site. Éramos somente eu e minha mulher trabalhando”, comenta. O sucesso nas vendas digitais acabou estimulando o casal a apostar na abertura de outra unidade. A terceira loja foi inaugurada no Shopping Plaza Sul, em São Paulo, em outubro do ano passado.

Tudo começou com um romance à beira-mar: o economista Angelo Salvatori Cavalhieri, 54 anos, e a publicitária e advogada Roseli Costa Oliveira, 50 anos, se conheceram por intermédio de uma amiga dele, que estudou na mesma faculdade de Roseli. O romance começou em uma ida à praia com um grupo de amigos. Hoje, Angelo e Roseli já estão casados há 22 anos. Há alguns anos, ele começou a sonhar com a ideia de montar um negócio próprio. A escolha da marca Puket se deu devido ao fato de Roseli ser consumidora, e as filhas do casal, Fernanda, 15 anos, e Juliana, 13, gostarem de usar meias e blusas da marca. A primeira unidade foi inaugurada em 2015, às vésperas do Natal, no Rio Design Barra, escolhido por situar-se próximo da residência da família. Com o sucesso da loja, cerca de um ano depois Angelo e Roseli decidiram abriram outra unidade, no Shopping Tijuca. Atualmente, o faturamento total das duas unidades fica em torno de R$ 1,5 milhão. No dia a dia, enquanto Angelo cuida das finanças, Roseli se responsabiliza pela gestão. “Apesar do relacionamento, sabemos administrar e conseguimos distinguir o que é loja e vida pessoal. Vamos nos policiando, tentando nos desligar para dar atenção a nossas meninas, para não deixar transbordar nenhum problema entre nós”, comenta o empresário. “Roseli é detalhista, ao contrário de mim, que sou generalista. Nós nos complementamos e tentamos ajudar um ao outro.”

Compra de loja parecia pegadinha de 1º de abril: casado com MoniqueBerticelli, veterinária que conheceu em Chapecó (SC), o então policial militar Francis Ferlin mantinha uma vida estável, controlando na ponta do lápis a renda familiar de R$ 6.500mensais. Com disciplina, os dois economizam sempre que podiam e destinavam o que sobrava para quitar o apartamento financiado. Este era o plano até o dia 1º de abril de 2016, data em que o policial militar foi ao supermercado e viu que um dos lojistas do local estava repassando o ponto de venda. Num bate-papo, decidiu comprar a loja. “Era uma oportunidade imperdível. E cheguei em casa falando que tinha uma surpresa”, relembra. Monique inicialmente acreditou tratar-se de uma brincadeira de 1º de abril. Só no dia seguinte, quando os dois foram visitar a loja, ela finalmente entendeu que ocasal começavaali uma nova página de sua história. E assim surgiu aItcase, rede especializada em acessórios para celular. Inicialmente, Francis e Monique se revezavam entre a gestão da loja e as atividades profissionais que até então sustentavam a casa. Quando as coisas começaram a engrenar, Monique deixou o dia a dia veterinário de lado e assumiu 100% das rotinas da unidade. Já Francis, após cumprir a carga horária de seis horas no batalhão, ia direto para o caixa atender os clientes. Em 2018, dois anos após a “ida ao supermercado”, o casal já estava abrindo a terceira loja.Foi quando, mesmo a contragosto da família, Francis largou a carreira militar para se dedicar exclusivamente à expansão damarca. “Todomundo me chamou de louco. Mas, em todas as histórias de grandes empresários que li, tinha um momento de “loucura”. Esse foi o meu”, explica o ex-policial.

Dedicação ao sonho da companheira: quando Joyce Duarte tinha 17 anos, foi diagnosticada com artrite reumatoide, uma doença inflamatória que atinge as articulações, e começou a tomar várias medicações. Esse foi o começo de uma série de problemas de saúde, que culminaram com a colocação de uma prótese bilateral de quadril, em 2015. Com sérios problemas de locomoção, Joyce tem muitas limitações de movimento. Mas, mesmo sendo uma pessoa com necessidades especiais, ela nunca deixou de trabalhar. Pelo contrário. Foi assim que ela criou a Terça da Serra, maior rede de residências sênior no Brasil, que oferece hospedagem humanizada e de alta qualidade para as pessoas da terceira idade. Seu marido Pedro Moraes, que começou a carreira na área financeira e depois passou a atuar no segmento de auditoria, ainda passaria por uma multinacional alemã antes de decidir mudar de carreira para se dedicar integralmente ao negócio criado por Joyce.  Hoje, a empresa tem 85 unidades em 12 estados brasileiros e faturamento de R$ 30 milhões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.