Quinta, 19 de outubro de 201719/10/2017
69 9 9285-1040
Claro
22º
24º
35º
Alvorada D'oeste - RO
dólar R$ 3,17
euro R$ 3,74
Escritório Confiança
CULTURA
Livro do menino do Acre: quais os ensinamentos de Bruno Borges em 'TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento'?
Obra chegou ao ranking das mais vendidas do Brasil.
AlvoNotícias Alvorada do Oeste - RO
Postada em 08/08/2017 ás 22h09
Livro do menino do Acre: quais os ensinamentos de Bruno Borges em 'TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento'?




Capa do livro 'TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento', de Bruno Borges, o 'menino do Acre' (Foto: Divulgação)





 


Ele tem aversão a sexo, gula e crase. Faz zero questão de parecer modesto (cita a si mesmo, inclusive). Gosta de usar termos associados a quem escreve difícil ("não obstante", "antemão", "entrementes", "outrossim", "amiúde"), mas não liga se a frase sai do nada e chega a lugar nenhum. Fiel ao "espírito do tempo", arrisca até uma mesóclise eventual. Humor? Só do tipo involuntário, e vamos encerrar a discussão a esse respeito citando o trecho em que ele define o verbete "ciência" – começa assim: "De acordo com a Wikipédia...".




Assinado por Bruno "o menino do Acre" Borges, o livro "TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento" (Arte e Vida) tem 191 páginas nas quais o autor (desaparecido desde março) faz grande esforço para explicar sua criação. A obra, que saiu no final de junho, acaba de entrar no ranking das mais vendidas do país.




Faz quatro meses que Borges está desaparecido. Antes de sair da casa onde morava, em Rio Branco, o rapaz deixou 14 livros escritos à mão e criptografados (ou seja, usando um código com símbolos no lugar de letras, para cifrar a mensagem). Parte do material estava registrada nas paredes, no teto e no chão do quarto. A polícia trabalha com a hipótese de que o sumiço é, na verdade, marketing para promover a obra




Pelo que se vê neste volume inicial, houve alguma dificuldade na hora de "traduzir" o texto para a língua portuguesa. Exemplos: "tão pouco" no lugar de "tampouco"; "a" no lugar de "há"; e “atoa” no lugar de “à toa”.




Mas a ambição do autor está mais no conteúdo do que na forma. Quer compartilhar conosco suas técnicas – ele chama de "porta para a inteligência" e "totalmente original". Como o conceito de conhecimento é mesmo bastante vasto, vale recorrer a Platão, Aristóteles e Augusto Cury, todos mencionados pelo nome.



 Já no começo, Borges avisa não estar "com a tentativa de fazer ciência, até porque nem cientista eu sou". "Eu apenas quero mostrar, (...) essa é uma teoria pela qual eu coloquei em prática durante anos suas funcionalidades e pude perceber que dava certo, uma vez que foi dela que saiu tantas ideias totalmente originais partidas de mim mesmo”.

 


A abordagem pode até soar mais "científica" e "filosófica" do que religiosa, mas o escritor garante nada ter contra a religião e reconhece sua importância para a TAC. Reconhece que, aos 20 anos, teve "um arrebatamento e uma experiência profundamente mística". Faz sentido: o livro é catalogado como 1. Filosofia e Teoria da Religião 2. Religião 3. Relações Humanas.







 

Imagem de Bruno Borges  (Foto: Arquivo Pessoal)Imagem de Bruno Borges  (Foto: Arquivo Pessoal)



Imagem de Bruno Borges (Foto: Arquivo Pessoal)






 



Após 4 horas de leitura, os 10 'conhecimentos' que o G1 absorveu de 'TAC':



 




1. Mire-se no exemplo dos 'sábios' (cadê 'aquelas mulheres'?)




Bruno Borges não gosta de deixar dúvidas: escreve que o título de "TAC" é formado pelas iniciais de "Teoria da Absorção do Conhecimento" – só para o caso de algum leitor menos perspicaz não ter notado, nunca se sabe. Mas o que ele propõe, afinal?




 Em síntese, temos de absorver e acumular conhecimento. E que façamos isso a partir de pessoas (só homens, nada de mulheres na lista) que ele chama de "sábios".


 E que, com esse conhecimento, criemos algo novo. E que deixemos esse algo novo para as gerações futuras. Há até uma fórmula, ela é assim: AB1 + CAB = ABT. Traduzindo: AB1 significa Absorção de Conhecimento Novo; CAB significa Conjunto de Conhecimento Absorvido; e ABT significa Absorção Total.




2. Sexo? Não, obrigado




O que têm em comum Leonardo da Vinci, Jesus Cristo, Platão, Waldo Vieira, Chico Xavier, Heráclito de Éfeso, Isaac Newton, Nikola Tesla e Michael Jackson? Para Bruno Borges, o fato de serem "sábios assexuados". A qualificação é do próprio autor e é usada em sentido positivo.




O lance é que fazer sexo toma tempo – e um tempo precioso, que poderia ser aplicado precisamente na busca pelo conhecimento. Escreve ele: "Embora muitos não saibam, o tempo que perdemos pelas nossas impulsividades sexuais, impedindo-nos de absorver conhecimentos úteis a fim de criar coisas novas, é imenso. Ora, mas uma relação íntima por vezes não dura 30 minutos? Certo, mas aí é que entra o fator comportamento, em outras palavras, o fim justifica o meio".




E tem ainda um efeito colateral evidente: o bebê que resulta da reprodução – outra coisa que consome horas.




 O negócio é o seguinte: quem faz sexo tem três preocupações – sobreviver, reproduzir e absorver conhecimentos; quem não faz sexo tem só duas preocupações – sobreviver e absorver conhecimento, segundo a teoria de Bruno Borges.


 "Ele não necessitará dispor de uma quantia exorbitante do seu tempo para cuidar dos seus filhos, pois nem mesmo filhos terá." Sagaz.




3. Não cometerás o pecado da gula (nem da carne)




Michael Jackson, Leonardo da Vinci, Albert Einstein, Abraham Lincoln, Aristóteles, Darwin, Isaac Newton, Pitágoras, Platão, Sócrates, Thomas Edison, Voltaire, Gandhi, Buda, Van Gogh e Nikola Tesla... Todos "sábios vegetarianos/veganos/crudívoros" na definição do autor de “TAC”. Ah, mas e daí?



 Daí que essa gente toda "evitaria de comer coisas que são fonte de prazer para muitos, e que é o maior responsável pelo vício, pela gula na comida: o apreço pela carne e seus derivados temperados, fazendo com que os assexuados veganos aumentem ainda sua taxa de absorção de conhecimento”.


 Também chama de "idiotice" a teoria de que "a carne ou comida queimada foi à [crase do texto original] geradora de uma inteligência mais protuberante do homem".


 Sim, o próprio Bruno Borges assegura que tem "uma alimentação e dieta totalmente frugívera". E acha certo fazer longos períodos de jejum absoluto, pois isso ajudaria na tarefa de ficar pensando melhor.




4. Sem anabolizantes nem ‘santa erva’




 Bruno Borges é contra o uso de anabolizantes, maconha (que ele chama de "santa erva", naquele que talvez seja o único exemplo de ironia de toda a obra), remédios para déficit de atenção e cirurgias estéticas.


 E ele consegue esclarecer isso num único parágrafo do livro, utilizando-se de um fluxo de pensamento e livre associação que são típicos de seu método.




A coisa é realmente inflamada, veja você mesmo: "(...) fumar a santa erva diariamente, impossibilitando de estudar ou trabalhar com rigor, pela dispersão do foco, o ajuda, em algures verão o absurdo de alguns obesos não conseguirem emagrecer, alegando que é predisposição ou problemas na tireóide, mas na verdade só não conseguem refrear a gula, e por isso pagam para um doutor pegar uma faca e cortar sua banha (...)".




5. Seja rebelde, mas com disciplina e durma pouco




Bruno Borges não só defende que adeptos da TAC sejam radicais como orgulha-se da invenção de um neologismo: "Nós, radicalistas e adeptos do radicalismo, determinamos que só se pode ser um membro da radicalidade (sim, este termo também criamos)".




 O autor recomenda fortemente o "sono polifásico" (modalidade em que o sujeito não dorme as 8 horas regulamentares, mas sim tira cochilos breves), que seria praticado por vários de seus "sábios do coração", como Jesus e Napoleão.


 E chegamos, então, a um outro conceito: disciplina, que sem ela ninguém alcança nada.




Rola até uma ameaça, num raro confronto menos educado com o leitor: “caso sinta-se distraído ou ache uma tarefa enfadonha estudá-las, o que obviamente não passa de 2 laudas, seria útil pedir-lhe somente mais um favor: cerre este livro de uma vez e senta-te sobre o gramado, escancare a tua boca cheia de dentes e espere a morte chegar. Talvez consigas, de praxe, observar um disco voador sobre o céu, se tiveres sorte, caso não, apenas permaneça como está”.




Disciplina e determinação. E o primeiro exemplo de quem sabia o que queria é Kurt Cobain, o líder do Nirvana. Depois vêm Martin Luther King, Freud e... Hitler.




7. Isole-se




Para a Polícia Civil do Acre, que investigou o desaparecimento de Bruno Borges, o sumiço do autor foi parte de um plano para garantir a divulgação da obra. A questão ainda não está fechada, mas "TAC" dá uma pista:




 Ao longo da obra, há recorrentes lembranças de que "sábios" gostavam de praticar o isolamento. De novo, a turma aparece: Da Vinci, Tesla, Jesus, Newton, Einstein, Buda e... Michael Jordan (porque ele treinava sozinho). E Raul Seixas.


 No final de maio, conversas encontradas no celular de dois amigos de Bruno Borges mostraram a intenção deles de ficarem ricos com a divulgação dos livros criptografados, informou o delegado responsável pela investigação. "O desaparecimento em si vem coroar a parte da publicidade", afirmou Alcino Júnior.




Dias depois, o delegado disse que a polícia não tinha "mais responsabilidade sobre o caso".




8. Hitler, o 'calamitoso'




Outro que se isolava, lembra Bruno Borges, era o Adolf Hitler. O líder nazista alemão aparece em duas passagens de "TAC", sendo chamado de "calamitoso" em ambas. O primeiro comentário é este: “E o calamitoso Hitler, conseguiria ele colocar em prática todos os seus sonhos incluídos em seu livro ‘Minha luta’, escrito quando preso, em isolamento, se ele não tivesse feito uso de praticamente todos os itens aqui neste estudo, pelo qual não coloquei seu nome em nenhuma categoria para não inflamar o ódio sobre leitores que não aceitariam que ele fosse visto como sábio”.



 Borges cita uma passagem de “O carisma de Adolf Hitler”, de Laurence Rees, na qual "seus companheiros achavam estranho que ele nunca quisesse tomar uns tragos (veganismo, gula) ou fazer sexo com uma prostituta (assexuado), passando o tempo livre lendo ou desenhando (absorvendo conhecimento), ou eventualmente discursando para quem estivesse por perto sobre algum assunto de que gostasse, estranho que parecesse não ter amigos ou familiares e, consequentemente, fosse um homem decidido a ser só (isolamento)".


9. Usar a TAC pode ser perigoso




Alerta: a TAC não é só alegria, não. De acordo com o autor, "a história tem se encarregado de demonstrar que a grande maioria destes sofriam mais que qualquer outro ser humano na terra", não deixando de assegurar que "o sofrimento psíquico é muito pior do que o sofrimento físico". Ele pede "cuidado, muito cuidado" a quem tiver uma "ideia absurda" e quiser divulgar por aí.




Na hora de exemplificar com "praticantes da TAC" que se deram mal, recorre a casos de gravidade muitíssimo variada: tem Jesus (“crucificado”), Giordano Bruno (“queimado vivo”) e o coitado do Thomas Edison (“expulso do primário porque o professor disse que ele era muito burro e tinha a cabeça oca”).




10. 'Penso, logo crio'




"O ser humano é uma espécie curiosa", avisa Bruno Borges. Mas por quê? Porque, ao contrário dos outros animais, "se transvia da natureza animalesca" – muito embora muitas vezes não se dê "conta de que também é um animal nu e cru como os demais".




O fato é que o homem consegue efetivamente criar (teorias, livros etc.), que é "o real propósito da inteligência humana".




 "Eu digo, diferentemente de Descartes ‘penso, logo crio’”, ousa Borges, dando cara nova ao famoso "penso, logo existo".


 Mas o autor é meio radical aqui de novo: "preferiria eu ser qualquer outro primata a um ignorante humano", conclui, depois de citar que os primatas sabem "exatamente o que tem que fazer no mundo".


FONTE: Cauê Muraro, G1
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium