Sábado, 20 de outubro de 2018
69 9 9285-1040
Economia

05/06/2018 ás 18h59

AlvoNotícias

Alvorada do Oeste / RO

Dólar dispara e fecha com maior valor em mais de 2 anos
Percepção de que o Fed, o BC americano, vai elevar os juros mais três vezes no ano e pesquisa eleitoral influenciaram subida da moeda americana.
Dólar dispara e fecha com maior valor em mais de 2 anos

Apesar de o Banco Central ter ampliado com força sua atuação, o dólar saltou e fechou no patamar de 3,81 reais nesta terça-feira, o maior em mais de dois anos, em meio à piora da avaliação dos investidores sobre a cena política local e com o exterior pesando sobre os ativos. O dólar avançou 1,78%, a 3,81 reais na venda, maior nível desde 2 de março de 2016.


“As perspectivas são muito ruins. A crise fiscal é séria”, afirmou o economista e sócio da NGO Corretora Sidnei Nehme. “A economia não anda, nem vai andar, porque empresários não vão investir com esse elevado grau de incerteza. Todo o cenário ficou ruim”, acrescentou ele.


A moeda americana já vinha operando com elevação desde a abertura do negócios, influenciada pelo cenário político local, a poucos meses das eleições presidenciais, e pelo movimento no exterior, que ganhou força após dados mais robustos sobre a economia americana.


No exterior, o dólar subia diante de divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e o peso mexicano.


A atividade do setor de serviços dos Estados Unidos acelerou em maio, indicando crescimento econômico robusto no segundo trimestre, enquanto outros dados mostraram que a abertura de vagas de trabalho atingiu máxima recorde em abril, superando as contratações.


Outros indicadores fortes de emprego dos Estados Unidos divulgados recentemente já haviam reavivado apostas de que o Federal Reserve, banco central do país, pode aumentar a taxa de juros mais três vezes neste ano. As expectativas do mercado, por enquanto, são de mais dois aumentos até dezembro.


Juros elevados têm potencial para atrair à maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outros mercados, como o brasileiro. Com isso, o dólar disparou no mercado brasileiro também, desencadeando um movimento conhecido como “stop loss”, quando os investidores desfazem suas posições rapidamente diante de sinais que consideram mais negativos. Segundo o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer, não houve saída de recursos do mercado, apenas esse movimento técnico.


Assim, o BC brasileiro decidiu entrar mais pesado e anunciou novo leilão de até 30 mil novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, nesta sessão. Vendeu 16.210 contratos e, em seguida, anunciou outro leilão, do qual também não vendeu a oferta integral, mas apenas 6.110 do total de 13.790 swaps restantes.


Logo após essa intervenção mais forte do BC, o dólar chegou a bater 3,7581 reais na mínima do dia, mas as apreensões voltaram ao mercado em seguida.


A autoridade monetária já havia feito leilão o esperado de novos swaps neste pregão e vendeu a oferta integral de até 15 mil contratos, injetando o equivalente a 3,366 bilhões de dólares no mercado neste mês, incluindo todos os leilões de novos contratos.


E também vendeu integralmente a oferta de até 8.800 swaps para rolagem, já somando 1,320 bilhão de dólares do total de 8,762 bilhões de dólares que vence em julho. Se mantiver esse volume até o final do mês, rolará integralmente o volume.


“O mercado não está tão interessado em swaps”, avaliou o operador de câmbio da corretora H.Commcor, Cleber Alessie Machado. “Fica a percepção que está querendo outra forma de intervenção e pode ser o leilão de linha, que supre a demanda no mercado à vista”, acrescentou ele, referindo-se aos leilões do BC de venda de dólares com compromisso de recompra.


A alta do dólar na sessão também foi influenciada pela cena política local, após a divulgação da pesquisa de intenção de votos do DataPoder360 que mostrou o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) na segunda posição, atrás de Jair Bolsonaro (PSL), com Geraldo Alckmin (PSDB), visto pelo mercado como candidato com perfil reformista, sem decolar.


Além disso, a pesquisa mostrou o ex-prefeito de São Paulo João Doria, também do PSDB, como um dos possíveis candidatos, mas também sem força.


“A questão é que o candidato de esquerda tem se mostrado mais competitivo do que um candidato pró-mercado”, afirmou o gestor de derivativos de uma corretora local.


Os investidores ainda continuaram cautelosos com os desdobramentos da greve dos caminhoneiros, que afetou o abastecimento do país nas últimas semanas. O governo acabou cedendo na maioria das reivindicações da categoria para baixar os preços do diesel, gerando uma conta bilionária que impactará os cofres públicos, prejudicando o ajuste fiscal.


Agora, o governo trabalha para mudar a periodicidade dos reajustes de preços de gasolina sem mudar a política de preços da Petrobras.

FONTE: VEJA

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium